Balança desequilibrada

07/01/2014 - O avanço das importações de petróleo e de derivados, como a gasolina e o diesel, que superaram a marca de US$ 40 bilhões em 2013, tem provocado sérios estragos na balança comercial do país e no caixa da Petrobras nos últimos anos. O deficit da chamada “conta petróleo” saltou de US$ 5,38 bilhões em 2012 para um rombo histórico de US$ 20,28 bilhões no ano passado, segundo informou o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior na semana passada. Esse desempenho contribuiu para a queda de 87% no superavit da balança, que fechou em US$ 2,56 bilhões, o pior resultado em 13 anos. Com a produção nacional estagnada em razão de paradas para manutenção em plataformas no mar, as importações de petróleo bruto subiram 20,8% em 2013, para US$ 16,32 bilhões. A entrada dos demais produtos da cadeia, como combustíveis e lubrificantes, teve aumento de 9,5%, somando US$ 24,18 bilhões em 2013. Nos últimos anos, o Brasil passou de exportador a comprador de gasolina para responder ao aumento expressivo da frota de veículos. Sem repasse As importações têm afetado os resultados da Petrobras, pois a estatal não repassa aos consumidores o custo total delas. Além disso, a empresa reduziu as exportações de petróleo porque precisou aumentar a carga processada em suas refinarias no Brasil. A estatal bateu em 2013 sucessivos recordes de refino com o aumento da produção de derivados, com unidades chegando a operar perto do limite da capacidade instalada. As exportações de petróleo bruto somaram US$ 12,96 bilhões em 2013, queda de 36% ante 2012. As de combustíveis caíram 23%, para US$ 3,87 bilhões. A expectativa da diretoria da Petrobras é de que o deficit caia neste ano, em razão das melhores perspectivas na produção de petróleo. Segundo especialistas, o plano de investimentos da maior empresa do Brasil, controlada pelo governo, não prestou atenção na curva de demanda interna de combustíveis e nos longos prazos para a conclusão de novas refinarias, as primeiras desde os anos 1970.
Fonte: Correio Braziliense


Comentários da notícia