O Brasil é hoje uma das mais amplas fronteiras de oportunidades de negócios, afirma Dilma

25/01/2014 -Presidenta ressaltou que o país sempre recebeu bem o investimento externo, adotando medidas para facilitar ainda mais essa relação A presidenta Dilma Rousseff afirmou na sexta-feira (24), em Davos, na Suíça, a uma plateia de empresários que participam do Fórum Econômico Mundial, que o Brasil é hoje uma das mais amplas fronteiras de oportunidades de negócios e que o país sempre recebeu bem o investimento externo, adotando medidas para facilitar ainda mais essa relação. “O Brasil é hoje uma das mais amplas fronteiras de oportunidades de negócios. Nosso sucesso nos próximos anos estará associado à parceria com os investidores de todo o mundo. O Brasil sempre recebeu bem o investimento externo. Meu governo adotou medidas para facilitar ainda mais essa relação. Aspectos da conjuntura recente não devem obscurecer essa realidade. Como eu disse até aqui o Brasil precisa e quer a parceria com o investimento privado nacional e externo”. Dilma afirmou que um novo Brasil, menos desigual, está sendo construído mantendo a solidez dos compromissos macroeconômicos, onde a estabilidade é valor central. Aos empresários, ela garantiu que o país não transige com a inflação, mantém sob controle as despesas, tem um dos menores endividamentos públicos do mundo e respeita os contratos, além de apresentar um ambiente estável e atrativo aos investimentos. A presidenta avaliou que um novo ciclo de crescimento econômico mundial está em fase de gestação e à medida que a crise vai se dissipando, um olhar mais atento sobre os países emergentes ganhará fôlego. De acordo com a presidenta, com uma estratégia de longo prazo focada na promoção dos investimentos, na educação e no aumento da produtividade, o Brasil sairá ainda melhor desta crise internacional. Dilma alertou que é apressada a tese segundo a qual, depois da crise, as economias emergentes serão menos dinâmicas. Para Dilma, a saída definitiva dessa crise requer um enfoque que privilegie não apenas o curto prazo. Ela ressaltou ser natural que, em um ambiente de crise e contaminado pelos seus efeitos adversos, muitas avaliações acabem privilegiando só essa dimensão temporal. É imprescindível, entretanto, segundo a presidenta, resgatar o horizonte de médio e longo prazos em nossas avaliações para dar suporte aos diagnósticos e às ações necessárias ao crescimento das diferentes economias. “Nessa perspectiva, ainda que as economias desenvolvidas mostrem claros indícios de recuperação, as economias emergentes continuarão a desempenhar um papel estratégico. Estamos falando dos países com as maiores oportunidades de investimento e de ampliação do consumo (…) Os fluxos atuais de investimento e comércio e as elevadas taxas de emprego e o horizonte de oportunidades dessas economias apontam noutra direção. Aliás, como as economias desenvolvidas foram as mais afetadas pela crise, ao dela saírem criarão um ambiente econômico global mais favorável”. Blog do Planalto
Fonte: Portal Brasil


Comentários da notícia