Em três anos, mais de 40% da tecnologia para adaptar regulamentações de dados dependerão de IA

As leis e regulamentações para conformidade com a privacidade de dados pessoais têm mexido com o mundo da tecnologia. A nova realidade global exige investimento e gerenciamento de informações, por vezes muito caro, que dependem de tecnologia. De acordo com analistas do Gartner, os gastos globais orientados à privacidade com ferramentas de conformidade alcançarão US$ 8 bilhões até 2022.

"As leis de privacidade, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) apresentaram um argumento comercial convincente para a conformidade com a privacidade e inspiraram muitas outras jurisdições em todo o mundo a segui-las", diz Bart Willemsen, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

Segundo a consultoria, o uso de aplicativos de Inteligência Artificial reduz os encargos administrativos e as cargas de trabalho manuais, se tornando o centro da capacidade de solução para essa nova realidade. O Gartner prevê que mais de 40% da tecnologia para conformidade com a privacidade dependerá de IA até 2023, em comparação com 5% atualmente.

Ainda de acordo com o analista, mais de 60 jurisdições em todo o mundo sancionaram ou estão elaborando leis desse tipo. “O Canadá, por exemplo, está buscando modernizar sua Lei de Proteção de Informações Pessoais e Documentos Eletrônicos (PIPEDA), em parte para manter a adequação com o observado na União Europeia depois do GDPR”, conta Willemsen.

Redução de custo e dinheiro

De acordo com a Pesquisa de Risco e Segurança do Gartner de 2019, muitas organizações não são capazes de fornecer respostas rápidas e precisas às solicitações de direitos subjetivos que recebem. Dois terços dos entrevistados indicaram levar duas ou mais semanas para responder a uma única solicitação de direitos subjetivos. Com frequência realizados manualmente, os custos médios desses fluxos de trabalho são de aproximadamente US$ 1.400, que se acumulam com o tempo.

Na vanguarda de uma experiência positiva do usuário (UX) com privacidade está a capacidade de uma organização para lidar prontamente com solicitações de direitos subjetivos (SRRs, do inglês Subject Rights Requests), de acordo com a empresa. Solicitações de direitos subjetivos cobrem um conjunto definido de direitos, no qual os indivíduos têm o poder de fazer solicitações sobre seus dados e as organizações devem responder a eles em um período de tempo definido.

"A velocidade e consistência pelas quais as ferramentas de IA podem ajudar a lidar com grandes volumes de solicitações de direitos subjetivos não apenas economizam gastos excessivos de uma organização, mas também reparam a confiança do cliente", diz Willemsen. "Com a perda de clientes atuando como a segunda maior preocupação dos líderes de privacidade, essas ferramentas garantirão que suas demandas de privacidade sejam atendidas”, complementa.

Até 2022, os gastos voltados à privacidade em ferramentas de conformidade alcançarão US$ 8 bilhões em todo o mundo. O Gartner espera que os gastos com privacidade impactem as estratégias de compra das partes interessadas conectadas, incluindo as de Chief Information Officers (CIOs), Chief Digital Officers (CDOs) e Chief Marketing Officers (CMOs). "A era pós-GDPR exige uma ampla gama de recursos tecnológicos, muito além das planilhas padrão do Excel do passado", afirma Willemsen.

Mas esse mercado ainda está se amadurecendo. “O certo é que a privacidade, como disciplina consciente e deliberada, desempenhará um papel considerável em como e por que os fornecedores desenvolvem seus produtos. À medida que a IA aumenta a prontidão para a privacidade, auxiliando as organizações em áreas como gerenciamento de solicitações de direitos subjetivos e descoberta de dados certamente começaremos a ver mais recursos de IA oferecidos pelos fornecedores de serviços".

A Pesquisa de Risco e Segurança do Gartner de 2019 foi realizada de março a abril de 2019 para entender melhor como são executados o planejamento, as operações, o orçamento e as compras de gerenciamento de riscos. A pesquisa foi realizada on-line com 698 entrevistados no Brasil, Alemanha, Índia, Estados Unidos e Reino Unido. As organizações têm pelo menos 100 funcionários e US$ 50 milhões em receita anual total para o ano fiscal de 2018.



Fonte: https://cio.com.br/em-tres-anos-mais-de-40-da-tecnologia-para-adaptar-regulamentacoes-de-dados-dependerao-de-ia/


Comentários da notícia