Os papéis da escola e do professor na formação de cidadãos globais

A partir de 2019, será implantado um novo documento que norteará os fazeres pedagógicos em território nacional: a BNCC ou Base Nacional Curricular Comum. Ela tem por objetivo estabelecer conhecimentos, competências e habilidades que os estudantes precisam desenvolver durante a escolarização básica. Com isso, os conceitos de “Educação Integral” e “Cidadania global” vieram à tona.

Segundo o site da BNCC, essa base comum “soma-se aos propósitos que direcionam a educação brasileira para a formação humana integral e para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva”, características essas fundamentais para a formação do cidadão que atuará no Século XXI.

Partindo, portanto, desse princípio, nós, professores, constatamos a importância de educarmos integralmente nossos alunos, independentemente de qual seja o componente curricular que ministremos. Isso significa, na prática, que o aluno deve deixar de ser somente o que a etimologia da palavra “aluno” (que tem sua origem no latim) representa – alguém que precisa ser nutrido, que recebe “alimento” para o intelecto sob a forma de conhecimento e que, presumidamente, é “vazio” e precisa ser “preenchido” por alguém, assumindo uma posição passiva dentro do processo – e passe a ser o centro para o qual a atenção da ação educativa deva ser voltada.

Dos professores que educam os cidadãos globais para o século XXI, espera-se que criem um ambiente propício ao aprendizado e que preparem seus alunos para serem cidadãos produtivos, éticos e responsáveis em um mundo cada vez mais interconectado, e onde as mudanças ocorrem de forma extraordinariamente rápida.

Diante dessa nova realidade e desse imenso desafio, precisamos reconhecer que nosso papel como professor se altera radicalmente, já que nos tornamos responsáveis pela educação de pessoas que, segundo a Unesco, formarão a “primeira geração mundial de cidadãos globais”,já que se estima que, em 2050, 80% das crianças e jovens com idade entre 8 e 15 anos terão acesso à world wide web no mundo.

São esses jovens, portanto, que devem estar prontos para se posicionar e se responsabilizar em encontrar soluções para os desafios globais de grande complexidade que o século XXI já está trazendo, tais como o aquecimento global, a imigração, a intolerância e a cybercultura. Para tanto, não será mais suficiente somente o desenvolvimento de habilidades cognitivas, como a leitura de textos e o cálculo de equações matemáticas.Tais habilidadesprecisarão estar aliadas a competências pertencentes aos domínios intra e interpessoais, como comunicação, colaboração, resolução de conflitos, flexibilidade, iniciativas, apreciação das diferenças, pensamento crítico, argumentação e inovação.

Reconhecermos esse fato, porém, é só um primeiro passo, já que, para que assumamos de maneira adequada esse papel no ambiente escolar no qual atuamos, precisamos de formação e aperfeiçoamento constantes, não só como profissionais, mas também como seres humanos e integrais que somos, responsáveis não só por nós mesmos, mas pelo outro que nos é confiado e até (por que não dizê-lo) pelo mundo!

Finalizando, é importante ressaltarmos os valores que devem estar presentes em nossa prática diária para que consigamos o objetivo esperado:

– inclusão – reconhecendo e valorizando a singularidade de cada indivíduo¾a cultura na qual está imerso, suas visões de mundo e opções de vida;

– ética – que implica em reconhecer que o que não é bom para mim também não é bom para o outro e, ao inverso, o que é conveniente para mim também o é para o outro;

– democracia – as decisões, sempre que possível, devem ser tomadas em comum acordo com as partes envolvidas, pois, somente dessa forma, todos se sentirão responsáveis pelo andamento e pelo sucesso do processo ensino-aprendizagem;

– educação afetiva-emocional –ajudar a reconhecer e educar emoções e sentimentos para propiciar relações interpessoais, não só dentro, mas também fora da escola, mais empáticas e baseadas no respeito mútuo;

– comunicabilidade – dar ferramentas para que se consiga expor ideias e se atinja objetivos, utilizando a argumentação baseada em fatos científicos.


Fonte: https://educacao.estadao.com.br/blogs/blog-dos-colegios-santa-amalia/os-papeis-da-escola-e-do-professor-na-formacao-de-cidadaos-globais/


Comentários da notícia