As crianças que desafiam a segregação étnica no prédio dividido em duas escolas na Bósnia

"Fico separada da minha amiga Amra, só podemos nos divertir juntas nos finais de semana", lamenta Asja Besirevic, de 11 anos.

Você pode até pensar que a amiga de Asja se mudou para o outro lado do país, só que na verdade as duas estudam no mesmo prédio, na cidade de Jajce, na Bósnia.

Mas elas não estudam na mesma escola.

Trata-se de um exemplo emblemático de uma política conhecida como "duas escolas sob o mesmo teto", que divide alunos com base em sua etnia.

Em Jajce, estudantes bósnio-muçulmanos como Asja entram pela porta da "Escola Primária Berta Kucera"; já os de etnia croata se dirigem à parte assinalada como "Escola 13 de setembro".

Não é que os dois lados nunca se encontrem. As crianças até podem se cruzar no átrio, que contém quadros de avisos para as duas escolas e serve como local de reunião e apresentação para os alunos de Berta Kucera.

Os adultos se cruzam também. Uma freira católica passa por uma mulher muçulmana com um lenço de cabeça ao se dirigir ao prédio da 13 de setembro.

Isso dá uma breve impressão de multiculturalismo, mas não é nesta atmosfera que Asja se sente.

"Gostaria que todos estivéssemos juntos e misturados. Para mim, é errado estarem nos dividindo. Fico muito triste com isso".

Por que as escolas da Bósnia foram divididas

No final de fevereiro de 1992, os muçulmanos (chamados bosníacos) e croatas da Bósnia votaram pela independência em relação à Iugoslávia em um referendo boicotado pelos sérvios. Um mês depois, a União Europeia reconheceu a independência da Bósnia.

Os sérvios então deram início à guerra. Sob liderança do presidente Radovan Karadzic, o Exército de 180 mil homens comandado por Ratko Mladic, que ficaria conhecido como "carniceiro da Bósnia", cercou Sarajevo e ocupou 70% do país. Com o intuito de estabelecer uma República Sérvia, perseguiram e mataram croatas e muçulmanos.

Mladic e Karadzic conduziram uma campanha de limpeza étnica. Em Sarajevo, mais de 10 mil civis foram mortos.

Jajce e grande parte de seu entorno tornaram-se um campo de batalha durante o conflito.

As escolas foram sugadas para a luta enquanto os líderes étnicos tentavam impor suas ideologias na sala de aula.

O Acordo de Paz de Dayton pôs fim aos combates em 1995, mas manteve as divisões étnicas.

Image caption Crianças da Berta Kucera são em boa parte de origem bósnia-muçulmana

De um lado, ficou a República Sérvia e, de outro, a Federação da Bósnia e Herzegovina.

A Federação embarcou ostensivamente na política das "duas escolas" para incentivar as famílias deslocadas a voltarem para casa.

O conceito oferecia a garantia de que as crianças não enfrentariam doutrinação ou discriminação nas mãos de pessoas que haviam sido recentemente inimigas. Mais de 50 escolas foram divididas dessa maneira.

Mas logo ficou claro que o sistema arriscava reforçar as divisões.

Diplomatas ocidentais pressionam a Federação a fundir escolas, mas as autoridades se recusaram.

"Você não pode misturar maçãs e peras", disse em uma ocasião um funcionário experiente na área da educação.

De fato, em vez de educar as crianças juntas, houve até mesmo esforços para aumentar a segregação, embora isso tenha encontrado uma resistência feroz por parte dos próprios alunos.

Como os alunos desafiaram a segregação

Image caption Diferente das escolas primárias, unidade de ensino médio em Jajce é mista

Subindo uma ladeira acima de Berta Kucera e 13 de setembro, a escola do ensino médio de Jajce é misturada, como resultado de uma campanha liderada por estudantes para evitar a segregação.

"Muitas vezes, os alunos são ensinados por seus pais, em casa, a odiar - porque os adultos passaram pela guerra. Se forem ensinados a odiar os outros em casa e depois nas escolas segregadas, os estudantes não saberão nada além do ódio", diz Ivica Jukanovic, uma das lideranças da campanha.

De volta às escolas primárias, as crianças brincam nos pátios separados, aparentemente despreocupadas. Mas seus diretores têm visões surpreendentemente diferentes sobre como elas devem ser educadas no futuro.

"O sistema que temos hoje é como um câncer, se você me perguntar", diz o diretor de Berta Kucera, Fikret Cancar.

"Estou esperando o dia em que todo o sistema será reconstruído e unido. Não vejo isso em um futuro próximo - mas digo a todos que vêm para cá: Estou esperando este dia".

Mas sua colega croata da 13 de setembro, Iva Ladan, está muito menos entusiasmada com a perspectiva de uma fusão.

"Há espaço para melhorias, mas a decisão precisa ser feita em alto nível", diz ela.

Image caption 'Juntos, criamos', diz mural em escola de ensino médio

As chances de tal decisão entre governantes parecem escassas.

Os líderes das diferentes etnias da Bósnia vêm atuando sob a linha da divisão por mais de duas décadas, o que, portanto, vai muito além dos pátios das escolas de lugares como Jajce.


Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-48863667


Comentários da notícia