Ótimo aprendizado

02/01/2014 - Juan Pablo, 25 anos, fez mestrado em física em seu país, Colômbia, e, na hora de prosseguir com o estudo, decidiu investir no intercâmbio. Para ele, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Física da UFMG, as pesquisas desenvolvidas em ciências básicas não avançam isoladamente, pois quase todas envolvem pessoas e trabalhos de outros centros de pesquisa, nacionais e estrangeiros. "Os principais ganhos em fazer pesquisa em um país diferente do nosso é o aprendizado de novos métodos, fato importante para atingir elevados níveis de excelência e competitividade; além da criação de fortes relações científicas entre grupos internacionais, relevantes para o avanço tecnológico conjunto entre países." Para ele, o Brasil é hoje um importante núcleo de desenvolvimento e formação científica. "O país está investindo fortemente em ciências básicas, fundamentais para a inovação tecnológica. Por isso, escolhi a UFMG, que tem uma das melhores infraestruturas de pesquisa do país, com laboratórios muito bem equipados para trabalhos de alto nível." De fato, o programa mineiro obteve nota 7 na última avaliação da Capes, sendo considerado um programa de referência. Juan tem uma bolsa de doutorado da Capes e estuda as propriedades óticas de dispositivos baseados em cristais fotônicos, fundamentais para o desenvolvimento e a construção de lasers de alta eficiência.
Fonte: Correio Braziliense


Comentários da notícia