Evasão na UFRPE aumenta com o Sisu

21/01/2014 - Quando começou o curso de gastronomia na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), no Recife, quatro anos atrás, Tássia Tabosa, 30 anos, tinha mais 19 alunos na turma. Hoje, no 7º período, são somente ela e dois colegas. Há outros três que vieram de outros períodos. A evasão na instituição aumentou depois da extinção do vestibular e adesão integral da universidade no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação (MEC), que ocorreu em 2010. Segundo a reitora Maria José de Sena, o índice de alunos que abandona o curso na Rural dobrou. Passou de 15% para uma média de 30%. “Não é um problema só na UFRPE. É nacional. Todas as universidades que integram o Sisu têm percebido mais evasão. Tanto que a questão tem sido discutida com o MEC”, diz a reitora. “A maioria dos candidatos não entra no curso que tem vocação. Como o sistema permite que ele busque vaga pela nota, termina ingressando numa graduação que não é a sua primeira ou segunda opção”, complementa. Maria José defende uma mudança no formato da inscrição do Sisu. Atualmente, o estudante escolhe dois cursos e duas universidades e pode mudar de acordo com o ponto de corte, durante o período de inscrição. “Defendo que ele deveria se inscrever em apenas um curso e indicar duas instituições. E acabar com a consulta ao ponto de corte”, explica a reitora. Essa proposta, segundo ela, foi apresentado ao MEC. “Vai ser formada uma comissão com vários reitores para aprofundar o debate.” Para Tássia, um dos motivos da evasão é a desinformação sobre o curso de gastronomia. “A maioria dos alunos chega achando que vai se tornar um grande chefe de cozinha. E que terá muitas aulas práticas. Mas a graduação é mais voltada para a parte científica, com muita teoria”, comenta Tássia. Professor dos cursos de medicina veterinária, zootecnia e agronomia, Ricardo Pessoa também percebe mais desistências. “Dez anos atrás dava aula numa turma de veterinária com 40 alunos. Hoje as turmas têm 10, 15 estudantes. O Sisu democratizou o acesso e isso é excelente. A oportunidade de ingresso no ensino superior atualmente é fenomenal. Mas tem que se fazer algo que diminua a evasão”, diz Ricardo. Aluna do 6º período de história, Camila Falcão acha que se a estrutura da universidade fosse melhor a desistência poderia ser menor. “A precariedade da estrutura da Rural contribui para o estudante, que entrou num curso sem ser o da sua preferência, abandonar mais rapidamente”, acredita Camila. A UFRPE foi uma das primeiras federais do País a aderir ao Sisu, que utiliza apenas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para selecionar os estudantes. Até março, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) deve anunciar se entra integralmente no Sisu, segundo o reitor Anísio Brasileiro. Mazevedo
Fonte: Jornal do Commercio


Comentários da notícia