Brasil e União Europeia debatem plano de ação para ampliar a cooperação em inovação

11/01/2014 - Brasil e União Europeia debatem plano de ação para ampliar a cooperação em inovação ?Inovação é a palavra chave para a União Europeia e Brasil?, afirmou o conselheiro de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) da Delegação da União Europeia no Brasil, Piero Venturi Para Venturi, ambos os países precisam investir na parceria público-privada para aumentar o desenvolvimento social e econômico de seus territórios. Venturi debateu sobre o assunto junto com representantes dos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e das Relações Internacionais (MRE); além de especialistas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), nesta terça-feira (8), durante o workshop do Projeto Bureau Brasileiro para promoção da cooperação bilateral entre o Brasil e a Europa (B.Bice+) no Brasil. O evento ocorreu na sede do CNPq, em Brasília. De acordo com a diretora de relações institucionais do CNPq, Liane Hentschke, o evento objetiva promover a cooperação em pesquisa e inovação entre UE-Brasil, melhorar a coordenação dos programas em CT&I entre os estados-membros da UE com o Brasil e facilitar a execução de projetos conjuntos em áreas prioritárias da cooperação em CT&I. Além de discutir questões de interesse mútuo entre os representantes das agências brasileiras de fomento a pesquisa (federais e estaduais) e do sistema de cooperação científica e tecnológica da Comissão Europeia. Para a diretora, a expectativa é que com o B.Bice+ mais parcerias duradouras possam ser formadas entre grupos de pesquisas brasileiros e europeus e que haja criação de novas redes de pesquisa. "Vamos promover um debate qualificado e produtivo para que os objetivos do projetos possam ser alcançados. Sairemos daqui com um plano de ações com metas e prioridades traçadas", disse. Para ilustrar o cenário das cooperações internacionais no Brasil, o diretor substituto de fomento a inovação do MDIC, Higor Nazaré, explicou quais são as metas do governo brasileiro para alavancar a estratégia nacional de CT&I. "Termos que aumentar o investimento privado em inovação. O objetivo é que em 2014 é que o Brasil chegue a 0.9% do Produto Interno Bruto (PIB) em investimentos do setor privado em pesquisa e desenvolvimento (P&D)", observou. Nazaré acrescentou que para a meta dar certo, as cooperações internacionais são fundamentais, pois a troca de experiência em políticas públicas ajuda a melhorar e aperfeiçoar as políticas brasileiras. "Precisamos estimular as cooperações e projetos; investimentos em P&D em outros países; criar redes de cooperação, e atrair centros e projetos de P&D para o Brasil", descreveu. Além, complementou o diretor, de importar tecnologias, ideias e qualificação de recursos humanos. ?A troca de experiência ajudará o setor privado a ter mais competitividade e empreendedorismo?. No mesmo viés segue a União Européia. Pietro Venturi relatou que apesar da Europa estar vivenciando uma crise econômica forte, o continente pretende investir até 2020 3% do seu PIB em inovação. "As metas são claras. Iremos promover mais ações para as parcerias público-privadas. Queremos uma maior participação da indústria", disse. Segundo Venturi, os resultados das parcerias com o Brasil estão crescendo e trazem ótimos resultados. "Temos parcerias com 156 projetos brasileiros. Podemos melhorar ainda mais esse número e ajudar tanto o Brasil quanto a UE a crescer e melhorar os índices da economia. Por isso precisamos incentivar e identificar as áreas de pesquisa que são mais importantes e buscar aumentar os projetos e acordos", finalizou. B.Bice+ O Bureau Brasileiro para Ampliação da Cooperação Internacional (Projeto B.Bice) foi criado em 2005 com o objetivo de promover e melhorar a cooperação em CT& I entre o Brasil e os países da União Europeia. Fonte: portal Agência Gestão CT&I
Fonte: Fundep - - NOTÍCIAS


Comentários da notícia