Mulher, ela tem um sonho

Qual seria o sonho de toda mulher? Inicio esse ensaio com uma pergunta básica, a mesma pergunta que um homem faria diante de seu tempo e de sua comunidade. A resposta que daria como homem e defensor público seria ser efetivamente livre, ter um trabalho dignificante, uma remuneração justa, viver em uma democracia, ou seja, ser feliz.

E o que uma mulher sonharia? Acredito que a mesma coisa, mas com enfoque em não ter medo e não sofrer violência. Parece simples quando se é homem, mas para elas deve ser muito difícil, pois além de viverem em uma sociedade profundamente machista elas são encaradas como cidadãs de segunda categoria (segundo sexo para Simone de Beauvoir).

O fato de sofrer violência pelo simples fato de ser (mulher) é ainda uma realidade que as brasileiras precisam enfrentar. Afinal, são 60 mil vítimas de feminicídio por ano, 164 vítimas de estupro por dia e milhares de casos de violência física e verbal contra as mulheres.

A educação de gênero e a conscientização por parte das meninas e dos meninos é fator crucial para a mudança de mentalidade, atitudes e fortalecimento da fraternidade que deve reger as relações humanas. Mas, infelizmente, alguns estados e o plano nacional de educação estão retirando paulatinamente esse item dos estudos dos jovens brasileiros, demonstrando total retrocesso em uma das áreas mais importantes para se conquistar uma sociedade mais justa.

    A legislação de combate à violência doméstica avançou muito no nosso país nos últimos dez anos

Além disso, a legislação de combate à violência doméstica avançou muito no nosso país nos últimos dez anos e agora o Estado mete a colher em briga de marido e mulher, com o objetivo de garantir os direitos das mulheres. Contudo, os mecanismos legais de punição atuam nas consequências do problema, mas não são tão eficazes para a prevenção. De qualquer modo, graças a esses mecanismos, a cidadã brasileira tem seus direitos resguardados pela Lei Maria da Penha e se dimensionou com dados o tamanho da violência doméstica e o prejuízo social que ela causa.

Eu tenho o privilégio de trabalhar numa instituição composta pela maioria de mulheres defensoras públicas, que tem salários iguais dos defensores públicos, mesmo respeito e podem compor os cargos de gestão do órgão. Todavia, sei que essa não é a realidade de todas as mulheres trabalhadoras no Brasil e que a grande maioria ganha menos que os homens para realizar a mesma função.

O Brasil precisa avançar muito nos campos da educação, na legislação de prevenção da violência doméstica e nas relações trabalhistas para que as mulheres possam sonhar.

Nossas convicções: A valorização da mulher

O papel dos homens e de sua conscientização de que as mulheres são humanas em igualdade de direitos, merecem respeito e devem viver em uma comunidade sem violência de gênero é crucial para a construção de uma sociedade mais justa e humanizada.

A data de 6 de dezembro é o “Dia de conscientização dos homens pelo fim da violência doméstica”. Nina Simone, cantora e ativista americana pelos direitos civis, disse que ser livre é não ter medo. Com toda razão! Espero que as mulheres não sejam vítimas de violência doméstica, tenham seus direitos assegurados e igualitários aos dos homens e sejam felizes.

Por fim, o Brasil é um país misógino, machista, preconceituoso, patriarcal, racista e conservador com as mulheres brasileiras e, por isso, meu sonho é que toda mulher possa sonhar e não tenha medo de realizar suas escolhas, sendo um ser revolucionário em uma sociedade atrasada como a brasileira.

Vitor Eduardo Tavares de Oliveira é defensor público do Paraná com atuação no 2.º Tribunal do Júri da Capital, auxiliar do Núcleo de Questões Urbanísticas e Fundiárias (Nufurb) e colaborador do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria do Paraná.



Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/ela-tem-um-sonho-9dr4rwnw7uk89f68zymz58kj5/


Comentários da notícia