Aula de História: como jogos podem ajudar a reconstruir identidades esquecidas

Jogos de tabuleiro de origem africana e indígena trazem diversidade para a sala de aula 

E se a sua aula de História tivesse, além dos livros, jogos de tabuleiro de origem indígena e africana? Esta é a proposta da antropóloga e consultora em diversidade Marcele Guerra, que propõe o uso do Jogo da Onça e o jogo da Mancala para ajudar a trazer diversidade e reconstruir identidades esquecidas.

Em uma atividade realizada durante a Virada de Autores, que ocorre entre os dias 31 de outubro e 4 de novembro em Itapeva, MG, Marcele iniciou o trabalho com uma provocação aos professores de História.

A primeira pergunta foi quantos entre os presentes tinham antepassados europeus e de onde vinham. Muitas mãos levantadas e muitos nomes de cidades europeias citados. A segunda pergunta era se alguém ali tinha antepassados indígenas e de qual região. Menos mãos levantadas e menos pessoas tinham certeza da própria origem. Ao perguntar se alguém tinha antepassados africanos e de onde eles vinham, mãos se levantaram, mas ainda menos sabiam sobre suas origens.

O incômodo de não saber sobre os antepassados de origem africana levou à reflexão sobre como uma política de estado aplicada no Brasil desde o século 19 acabou por suprimir a diversidade.

“Somos os filhos e filhas de um projeto de estado que anula a diversidade”, diz Marcele.

E, a partir deste incômodo, os professores foram convidados a jogar o Mancala, um jogo no qual os participantes precisam semear e colher, e vence quem terminar com o maior número de sementes. Eles também receberam tabuleiros para o Jogo da Onça, onde o objetivo é que a onça capture cinco cachorros ou que os cachorros imobilizem a onça.

Marcele explica que estes jogos de origem africana e indígena tiram o pensamento do aluno dos jogos mais tradicionais.

“Se eu pedir: enumere jogos de tabuleiro. Você vai responder: xadrez e dama. Mas, quando trazemos o Jogo da Onça e Mancala, começamos também a ter este diálogo de status, e é importante também você oferecer a diversidade de opções. É também esta quebra de uma visão única, etnocêntrica. Vivemos em um país pluriétnico.”

Provocando o estudante

A antropóloga já observou a aplicação das perguntas em salas de aula do Ensino Médio e do Ensino Fundamental 2 e a reação foi diferente da registrada entre os professores.

“Eles ficam instigados, eles querem saber e isso tem um eco dentro de casa. E se você trabalha com um acompanhamento de plano de aula, é maravilhoso porque começam a surgir as narrativas e as histórias, as tramas familiares”, conta.

Segundo Marcele, isso também é uma ferramenta de conhecimento da própria turma, de criação de vínculos e facilita para trabalhar o conteúdo de História a partir da realidade daquele grupo de estudantes.

A antropóloga também tem sugestões para o caso de alunos que não conseguem descobrir as próprias origens junto aos pais. Para ela, essa informação também pode voltar para o professor.

“É claro que o professor não vai falar para (o aluno) insistir, perguntar de novo. Você pode dar outras atividades para o estudante investigar sozinho. Existem outras formas. Eu sempre jogo para o olhar no território: territórios de origem e territórios de permanência. Onde está a escola? Que cidade, bairro? Tem ou tinha uma preponderancia étnica? Como se deu a ocupação historicamente?”

Marcele afirma que, desta forma, o professor começa a construir junto com os alunos uma história local, territorial e também a história da identidade dos estudantes.

“É um trabalho de reparar a identidade. Eu reparo, eu vejo”, conclui.


Fonte: https://novaescola.org.br/conteudo/13110/aula-de-historia-como-jogos-podem-ajudar-a-reconstruir-identidades-esquecidas


Comentários da notícia