Projeto ensina a empreender

Muita gente desconfia de palestras sobre empreendedorismo. Quase sempre eventos desse tipo estão cheios de dicas genéricas sobre negócios. Para se afastar do clichê, o professor Dario Perez e o consultor de tecnologia Matheus Costa criaram, há mais de um ano, o Encontro Empreendedor (EE), cuja versão universitária ocupou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) na noite de ontem. “Criamos o encontro justamente para sair do mundo das ideias”, diz Perez sobre a iniciativa que reúne, todos os meses, dois empresários inovadores e o criador de uma iniciativa com impacto social para conversar, gratuitamente, com universitários e quem deseja abrir o próprio negócio.

Os palestrantes da noite de ontem foram Martin Vidal, fundador da Let’ Sushi, a primeira rede de franquias de delivery de comida japonesa do país, e Daniel Cohen, um dos criadores do Easy Taxi e da startup de viagens Tripper. A iniciativa social da vez ficou a cargo de Larissa Harari, representante da Mawon, uma associação fundada em 2017 para capacitar para auxiliar migrantes em situação de vulnerabilidade. “Temos uma pauta de insights para estimular os convidados. Como as pessoas vêm para aprender na prática, pedimos que o convidado conte detalhadamente o que ele fez, as etapas de implementação do negócio”, explicou Perez.

Vidal contou que fundou a Let’ Sushi em 2012 com um sócio, quando voltou de uma formação na Science Po, em Paris. À época, delivery de comida japonesa já existia na Europa, mas não no Brasil. “Queria um negócio que reduzisse os preços para o cliente e, ao mesmo tempo, tivesse baixo custo e uma estrutura enxuta. Meu capital inicial não era grande”, explica. Tudo começou em uma cozinha de 14 m² e cresceu rapidamente, a ponto de, em 2014, ser ajustado para um modelo de franquias. Hoje, são sete lojas espalhadas pelo Rio. A dupla fundadora ficou com um serviço de entregas e um restaurante, as outras cinco lojas pertencem a franqueados.

“Tudo ia muito bem até as plataformas de venda on-line proliferarem no Brasil”, disse Vidal. Ele e o sócio tinham acabado de investir R$ 60 mil reais para melhorar seus canais on-line. “Foi um baque, porque rapidamente essas plataformas passaram a representar de 50% a 80% do faturamento cobrando taxas de até 15%”, explicou. A violenta remodelação do mercado condenou os gastos com marketing. Mais do que isso, atraiu novos players, muitos dos quais informais e, por isso mesmo, com custos mais baixos.

Para superar isso a solução foi a busca por mais qualidade e uma melhor apresentação do produto. “O cliente não vê isso na plataforma, onde somos todos iguais, mas reconhece quando compra”, diz Vidal que fez viagens ao Japão, de onde passou a importar os molhos e o arroz. Paralelamente, a multiplicação das franquias trouxe maior poder de barganha com fornecedores e, tão logo, preços ainda menores. “Ser empreendedor não é só ter uma ideia boa, mas estar atento para acompanhar o mercado”, opinou. Ele disse apreciar startups de tecnologia, mas destacou o componente “mão na massa” de negócios ligados a ramos como a gastronomia.

Esta foi a terceira edição da versão universitária do Encontro Empreendedor que, em meses anteriores, já esteve nas universidades Veiga de Almeida e FACHA. A ideia de levar as palestras para estes ambientes é iniciar os estudantes, mostrando que é possível começar um negócio próprio. “O empreendedorismo deve, antes de tudo, extrapolar a sala de aula. Nossos conhecimentos precisam ser refinados por pessoas que estão ativas e não só pelos livros”, disse Perez.

Em paralelo, acontecem encontros voltados para um público já iniciado, onde a prioridade é a exposição de ferramentas utilizadas pelos empresários convidados. A primeira reunião foi em junho de 2017 e reuniu 20 interessados na Praça São Salvador, em Laranjeiras. Um ano depois, o projeto se profissionalizou e conta com site próprio e vasta rede de apoiadores. “No EE convencional, há um networking muito intenso. Muitos vão para fazer negócios”, descreveu o organizador. 


Fonte: http://www.jb.com.br/economia/noticias/2018/08/09/projeto-ensina-a-empreender/


Comentários da notícia